UM POVO QUE NÃO GUARDA AS SUAS MEMÓRIAS NÃO HÁ DE SE LEMBRAR NO FUTURO | Ipaumirim Ceará | Artigos | PPUA Web Rádio

Projeto Plante Uma Árvore

PPUA Web Rádio - Um Show de Rádio ECO!

UM POVO QUE NÃO GUARDA AS SUAS MEMÓRIAS NÃO HÁ DE SE LEMBRAR NO FUTURO

Grande parte dos cerrados Brasileiros tem a suas características próprias, os arredores da Cidade de Ipaumirim, Ceará, não fica atrás deste quesito, cercada por uma grande quantidade de pequenos largos.

Ipaumirim, Ceará, 12 de Maio de 2017 - 17:34hs
Autor: José Lopes Pereira (Jotha Lopes) | www.ppua.com.br
Escadaria da pedra de São Sebastião
Foto: Padre Ranilson Belén

Conhecido pelos seus habitantes como açudes de pequeno porte, para o acúmulo de águas durante a estiagem, guarda uma fauna com um contraste exuberante, nesta época de estiagem não precisa andar muito para descobrir uma vegetação completamente diversa da que costumamos a ver em outras regiões onde a intensidade da chuva surge com mais frequência como no sul do Brasil, a Cidade é cercada por uma pedra muito famosa não só pelo seu formato mas pelos acontecimentos históricos e religiosos daquele município, ( A PEDRA DE SÃO SEBASTIÃO ). Um penhasco de pedra maciça que mede mais o menos uns 200 metros de altura, um lugar de peregrinação e de pagadores de promessas dado as suas crenças.

Lá de cima observamos várias cidades dos municípios vizinhos

Além de podermos observar e contemplar um pouco da vegetação que compõem este cenário tão diferente das demais regiões, a pedra fica a uma distância de 1.500 metros da cidade, para se chegar até ele seguimos por um antigo caminho que hoje já esta completamente parapeitado, a Cidade é ligada ate ela pelo uma obra-prima de arte contemporânea dos nossos antepassados, com uma construção de um grande corredor de cerca de pedra que deveria ser preservada mas que aos pouco está sendo destruída com o avanço dos loteamentos para a construção de novas moradias na Cidade o que uma pena.

Pedra de São Sebastião
Foto: Cezário Lucena

Do alto desta pedra também se ver o cenário retratado acima, uma vegetação áspera e por mais seca que seja se encontra flores e pontos verdes por entre as rochas, vemos árvores nativas das poucas que restaram nesta região como o juazeiro a oiticica a jurema a unha de gato e canafístula eu pau ferro por mais que seja a estiagem eles estão sempre verdes, mas o cenário muda de caatinga para o verdejante nos meses de Janeiro Fevereiro Março e Abril que são os meses da temporada das chuvas Fazendo desta região o vestimento verde, mas uma coisa me alegra nesta última visita que fiz por lá.

Que é a cessibilidade política dos últimos administradores que têm se preocupado mais um pouco com as questões ambientais tornem a cidade mais verdes.

Ao relatar esta foto me veio as lembranças de quando eu era apenas uma criança que morava na antiga rua das flores na casa de n° 475 que costumava planta flores de jasmim de cores vermelha, branca e amarelas e antes de sair para o Colégio D. Francisco De Assis Pires, regava pela manhã e à tarde quando voltava do roçado, e sempre quando voltava para o Colégio era chamado de fresco pelo fato de planta flores em volta da casa em que morava, o tempo passou e aquela rua que se chamava rua das flores, não é mais a mesma pois agora se chama Rua Micena Alexandre com o mesmo N° 475. o meu Pai e meu Irmão também já não mora mais por lá, pois está morando no plano mais superior que o meu, como testemunha deste passado aos 86 anos mora apenas a minha mãezinha, hoje não planta mais flores em volta de casa mas a ideologia é a mesma em vez de flores planto árvores, e ficar me imaginando se metade das crianças daquela época estivense o mesmo pensamento que o meu como seria o mundo hoje, já que lá de cima enxergamos como um planeta azul, bem que poderia se enxerga um planeta azul e verde, já que enxergamos uma pequena mancha verde que se chama de Amazônia Brasileira.

Cidade de Ipaumirim

Continuando plantando árvores, com a certeza de que estou contribuindo com o planeta e com a árvore biológica da vida nele, certo de que quando me for para um outro plano de vida, tenha também feito a minha parte para as futuras gerações.

Ipaumirim vem do tupi-guarani, que significa lagoa pequena ou Alagoinha

Sua denominação original era Unha de Gato, depois Alagoinha e, desde 1943 passou a se chamar de Ipaumirim antes esta região era habitada por índios Cariris sua agricultura é baseada no algodão, banana, arroz, milho e feijão, tem na pecuária como bovino suínos aves, já na indústria tem seis indústrias, sendo três de produtos alimentares, uma de perfumaria, sabão e vela, uma de madeira, e uma de vestuário, calçados e artigos de tecidos de couro e peles. Os principais eventos culturais são a festa da padroeira, Nossa Senhora da Conceição no dia 8 de dezembro e as Festividades de São Sebastião que começam no dia 11 de janeiro e vão até dia 20, encerrando com procissão. E está localizada a 420 km da capital.

Compartilhar no WhatsApp